A Cidadania XXI saúda a realização e publicação de toda a pesquisa científica que possa vir esclarecer alguns dos temas alvo de debate em torno da epidemia do novo coronavírus. É o caso de um estudo que vem clarificar um tema tão relevante como o dos casos positivos de assintomáticos.


Este estudo, publicado no dia 20 de novembro, seguiu 1.174 contactos próximos de assintomáticos e concluiu que “não houve evidência de transmissão de pessoas positivas assintomáticas para contatos próximos rastreados”. Destaca que, “em comparação com os pacientes sintomáticos, as pessoas infectadas assintomáticas geralmente apresentam baixa quantidade de cargas virais e curta duração da eliminação viral, o que diminui o risco de transmissão da SARS-CoV-25”.


“No presente estudo, a cultura do vírus foi realizada em amostras de casos positivos assintomáticos, sendo o vírus SARS-CoV-2 não viável. Todos os contatos próximos dos casos positivos assintomáticos tiveram resultados negativos, indicando que os casos positivos assintomáticos detectados neste estudo provavelmente não eram infecciosos”, frisa.


O estudo envolveu quase 10 milhões de residentes em Whuan, na China, tendo detetado apenas 300 casos positivos de assintomáticos. “Dos 300 casos positivos assintomáticos, dois casos vieram de uma família e outros dois eram de outra família. Não houve pacientes com Covid-19 previamente confirmados nessas duas famílias”, relata. 

“Um total de 1.174 contatos próximos dos casos positivos assintomáticos foram rastreados, e todos eles foram negativos para a Covid-19”, salienta. 
Explica que “as culturas de vírus foram negativas para todos os casos positivos assintomáticos, indicando nenhum “vírus viável” nos casos positivos detectados neste estudo”.


Segundo o estudo, “todos os casos positivos assintomáticos, casos que voltaram a testar positivo, e seus contatos próximos foram isolados por pelo menos 2 semanas até que os resultados do teste de ácido nucleico fossem negativos”. A observação constatou que “nenhum dos casos positivos detectados ou seus contatos próximos tornaram-se sintomáticos ou recentemente confirmados com Covid-19 durante o período de isolamento”. 
Sabendo que é com base em dados e estatísticas que estão a ser tomadas medidas gravosas para a saúde dos Portugueses e para o país, apelamos, mais uma vez, às entidades oficiais que integrem nas suas decisões informações fundamentadas na evidência.

Link para o estudo:
https://www.nature.com/articles/s41467-020-19802-w